PEA – Transformando resíduo orgânico domiciliar em adubo orgânico: compostagem em casa

13 de maio de 2020

Compartilhe isto:

A compostagem é um processo biológico em que os resíduos orgânicos podem ser transformados em adubo orgânico, podendo ser utilizado em hortas, jardins, entre outros cultivos.

De forma controlada, os resíduos residenciais, como restos de frutas, legumes, verduras, cascas de ovos, borras de café, sachês de chá (ricos em nitrogênio) e folhas secas (ricas em carbono) podem sofrer um processo de degradação resultando em um composto húmico capaz de proporcionar melhorias nas propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. Neste processo procura-se reproduzir as condições ideais de umidade, oxigênio, matéria orgânica e nitrogênio para favorecer e acelerar a degradação dos resíduos de forma segura.

Este processo objetiva o reaproveitamento dos resíduos, reduzindo os impactos ambientais de sua destinação final em aterros e lixões. A compostagem pode ser realizada com grandes volumes de resíduos e em grandes espaços, bem como, pode ser realizada em residências, em espaços reduzidos e com pequenos volumes de resíduos orgânicos.

Para a compostagem realizada em residência, a composteira se diferencia da forma utilizada em áreas abertas, devendo ser fechada para evitar o desprendimento dos resíduos, com pequenas aberturas em formatos de esféricos de aproximadamente 3 milímetros de diâmetro, para oxigenação da pilha durante a degradação dos resíduos. Para este processo, pode ser adquirida em sites especializados composteira fabricada para esta finalidade ou ser construída artesanalmente com três baldes plásticos, que serão empilhados um sobre o outro.

Para a realização do processo de compostagem, a composteira deverá ser instalada em local arejado e abrigado do sol. O início do processo ocorre com a adição de resíduos secos (folhas secas, palhas, serragens...) no fundo do balde. Após forrar a parte inferior do balde, deve-se acrescentar uma camada de resíduos frescos (legumes, verduras, frutas, borra de café e sachê de chá).
Posteriormente devem ser dispostos novamente resíduos secos, repetindo esse processo a cada nova adição de resíduos frescos. Desta forma, a decomposição será mais efetiva e evitará a atração de vetores. Além disto, é importante evitar a adição de resíduos gordurosos, cozidos, fezes de animais carnívoros, papeis higiênicos, temperos fortes e aromáticos, laticínios e excesso de frutas cítricas, visto que, estes alimentos podem retardar o processo de decomposição e atrair vetores e insetos.

A compostagem de resíduos orgânicos em composteiras residenciais pode ser realizada com ou sem a presença de minhocas. No método em que se utilizam minhocas, o processo é realizado por microrganismos e as minhocas têm o papel de auxiliar a decomposição dos resíduos e promover a oxigenação do processo. Nessa técnica, não há necessidade de promover o revolvimento e umidificação periódica dos materiais. O controle do excesso de umidade ocorre pela inserção de materiais estruturantes, secos, ricos em carbono.

Já na compostagem sem a presença de minhocas, a produção do húmus ocorrerá mais lentamente, uma vez que só os microrganismos realizarão a decomposição da matéria orgânica. Assim, deverá ser promovido o controle periódico da umidade e do calor. Neste método o revolvimento do material deverá ocorrer a cada acréscimo de resíduo, o que irá contribuir com a oxigenação necessária para a decomposição dos resíduos.

O processo de compostagem é semelhante em ambos os métodos supracitados, diferindo apenas quanto aos meios de oxigenação e período de maturação do composto.

A compostagem doméstica de resíduos sólidos orgânicos domiciliares, se devidamente conduzida, considerando-se os fatores básicos do processo, como aeração, umidade e temperatura, não resulta na geração de mau cheiro e/ou atração de vetores.

A Napeia Consultoria e Projetos, por meio do Programa de Educação Ambiental de um Complexo Eólico, realiza ações de orientação técnica para a produção de composto através de seus resíduos orgânicos domiciliares em comunidades da cidade de Campo Formoso, BA. Alguns registros fotográficos destas ações podem ser visualizados na galeria de imagens.

Autor: Jefferson Cardoso - Engenheiro Ambiental da Napeia Consultoria e Projetos.

Galeria de imagens

Receba o nosso conteúdo em seu email